Aleitamento materno

O leite materno é a melhor alternativa de nutrição para qualquer recém-nascido do ponto de vista nutricional, imunológico, psicoemocional e social.

O aleitamento materno exclusivo é a alimentação ideal para todo lactente até o sexto mês de vida. Deve ser o único leite usado no primeiro ano de vida, complementando por alimentos adequados introduzidos de forma progressiva a partir de 6 meses de idade. A manutenção do leite materno como alimento complementar é recomendável até 2 anos de vida.

Frequência das mamadas

Deixar o bebê sugar por livre demanda, não deixando passar os intervalos de 3 horas entre as mamadas. A mãe deve colocá-lo no peito sempre que tiver passado tempo suficiente e ele estiver no estado acordado/ativo/alerta ou manifestar fome (não precisa esperar que ele chore de fome). Com o tempo, geralmente por volta de um mês de vida, o bebê se adapta a um intervalo de aproximadamente 3 horas, mas sem muita rigidez, e mama entre 6 e 9 vezes por dia.

Duração da mamada

Situa-se em torno de 10 minutos em cada seio.

Quando começar

Na primeira hora de vida do bebê, sempre que possível, caso contrario poderá ser iniciado até 4 horas após o nascimento.

Como posicionar o bebê no seio

A mãe deve sentar-se em posição confortável com as costas, os braços e pés bem apoiados. Com o braço do lado que vai amamentar, sustentar o bebê deitado de lado, virado para a mãe, com a barriga encostada na da mãe. (vide foto A). O bebê deve estar com a cabeça e tronco alinhados (sem precisar torcer o pescoço para o lado) com o nariz e a boca na altura do mamilo.

foto A

Se preciso, no início da mamada, pode-se moldar o corpo da mama e aréola com o polegar e indicador em `C`, com a palma da mão voltada para o seio. O bebê deve ser levado a mama e não a mama ao bebê.

Como conseguir uma boa pega (embocadura)

O bebê deve estar acordado. Na posição correta descrita acima, aproximar a boca e o nariz do mamilo. Estimular roçando o lábio inferior dele com o mamilo e deixá-lo sentir o cheiro do leite. Esperar com paciência o bebê sentir, cheirar e tentar algumas vezes a embocadura, mas evitar que ele o faça enquanto não estiver com a boca bem aberta para que ele pegue o mamilo junto com a maior parte da aréola dentro da boca e não só o mamilo. (foto B).

foto B

Em uma boa pega, o queixo do bebê e a ponta do nariz ficam encostados na mama; a aréola deve ficar mais visível acima da boca que abaixo dela e o lábio do bebê fica virado para fora (boca de peixinho), a mandíbula (queixo) se mexe e a língua faz movimentos ritmados.

Se a pega for ruim, o bebê suga só o mamilo, as bochechas afundam   muito e a mandíbula mexe pouco indicando que está mais sugando que ordenhando e, assim, o bebê não vai obter leite suficiente, alem de provocar escoriações, abrasão, tração e fissuras dolorosas no mamilo, e sobrar leite na mama, o que vai reduzir a produção.

Posições alternativas

O bebê horizontalizado, com a mãe deitada (Foto C) ou a posição invertida de jogador de futebol americano (fotos D). Essas posições podem ser úteis para facilitar a pega do bebê, drenar  melhor a área do mama que fica do lado do queixo do bebê, reduzir a dor em região mais sensível do mamilo, para maior conforto da mãe ou para amamentar gêmeos.

foto C (bebe horizontalizado)

foto D (posição invertida de jogador de futebol americano)

Sugestões para uma boa amamentação:

  • procure manter o seu bebê perto de si, especialmente de início. Dessa forma, passará a conhecê-lo bem e rapidamente se dará conta de quando é que ele anseia ser alimentado. Isso é especialmente importante de noite. Com o bebê a seu lado, poderá facilmente levantá-lo para o amamentar, sem qualquer dos dois se perturbarem muito. Depois, poderão ambos  voltar a adormecer mais rapidamente;
  • o leite materno contém todo o alimento e água de que o seu bebê carece. Dar-lhe outros alimentos ou bebidas pode ser prejudicial, podendo também torná-lo menos interessado na amamentação. Se ele não se amamentar com suficiente frequência, pode acontecer que o leite materno se não produza em quantidade suficiente para as necessidades futuras do seu bébé. Portanto, quando quer que ele lhe pareça carente de alimento, ponha-o simplesmente ao seu peito;
  • a maioria dos problemas comumente ocorrentes nas mães, nas primeiras semanas da amamentação (por exemplo: mamilos magoados, seios engorgitados, mastite), acontecem quer porque o bebê não se prende da melhor maneira ao seio, quer porque ele não é posto ao peito com bastante frequência. Se estiver insegura, peça ajuda. Na contracapa deste folheto há informações sobre como a obter.

 

-

Referência: http://www.babyfriendly.org.uk/pdfs/portuguese/bfyb_portuguese2.pdf